Mais
    InícioNegóciosEntrevista'Folhas que Salvam' busca conscientização do impacto ambiental de forma descomplicada

    ‘Folhas que Salvam’ busca conscientização do impacto ambiental de forma descomplicada

    Neste episódio nós conversamos com o Marcelo Borges, do Folhas que Salvam. Um projeto que busca a conscientização do impacto ambiental de forma descomplicada. Assista.

    Compartilhe

    -

    Neste episódio nós conversamos com o Marcelo Borges, do Folhas que Salvam. Um projeto que busca a conscientização do impacto ambiental de forma descomplicada.

    Na conversa nós falamos um pouco sobre como os jovens podem transformar o mundo sem precisar sair de suas comunidades e da importância da preocupação com o meio ambiente. Confira.

    O que é o Folhas Que Salvam?

    O Folhas Que Salvam nasceu em maio de 2019, depois que eu e mais duas pessoas decidimos que o meio ambiente da nossa cidade estava em um estado muito crítico e que precisávamos fazer algo para mudar aquilo. E aí nasceu a ideia de plantar árvores, recolher lixo e conscientizar pessoas na nossa cidade.

    Nós começamos a postar no Instagram e o negócio começou a dar muito certo. Começamos a receber algumas mensagens de outras pessoas perguntando como participar e ser voluntários. E nós não sabíamos, porque nós atuávamos em Aparecida do Rio Doce, uma cidadezinha de 4 mil habitantes no interior do estado de Goiás. E aí nós pensamos: “Como podemos fazer algo?” e foi aí que nasceu a ideia que temos hoje e que é o nosso maior case de sucesso, o programa de embaixadores. Que é como as pessoas se tornam voluntárias do Folhas Que Salvam.

    Inscreva-se para receber nossas notícias e novidades em seu e-mail e cancele quando quiser.

    O programa são 6 meses. A cada 6 meses temos uma nova turma de embaixadores. Nós já estamos em nossa quarta turma. Cada turma tem cerca de 30 a 40 jovens e hoje nós já estamos presentes em 24 estados brasileiros em 88 cidades nas 5 regiões do Brasil, transformando comunidades e impactando através destes jovens. Somos um total de 138 jovens presentes nessas comunidades.

    Nossa missão é essa transformação de ponta a ponta, então desde a recuperação do que já foi perdido, até a conscientização para que não se perca mais. Porque não adianta nós aqui atrás organizarmos toda a bagunça que é feita pela sociedade, se lá na frente tem dez vezes mais gente degradando? Então essa conscientização é muito importante por causa disso.

    E nós mostramos para os jovens que não importa quem eles são, não importa de onde eles vêm, nós mostramos que eles podem transformar suas comunidades e podem salvar o planeta e o meio ambiente, sem sair da sua própria comunidade. Transformando ali, ele já está fazendo muita coisa.

    Quais foram os maiores feitos do projeto?

    Em 2019, quando atuávamos presencialmente só em Aparecida do Rio Doce, bem no comecinho, nós demos uma palestra numa escola. A Escola Municipal Vereador João Justino. Nós falamos sobre o consumo de água para as crianças e sobre [a importância de] não deixar as torneiras do bebedouro ligadas. Dois meses depois nós voltamos lá para conversar com a direção do colégio e eles nos informaram que a conta de água tinha tido uma redução de 25% a 30% do gasto. Isso foi muito bacana. Ver o quanto essas crianças entenderam e perceberam que o trabalho que elas fazem tem um impacto.

    Todo final de programa de embaixadores nós temos uma festinha de encerramento virtual. E aí é sempre muito emocionante ver as pessoas falarem como a vida delas foi transformada, a vida da família delas foi transformada, através da nossa ação.

    O reconhecimento na mídia pra gente é surreal, porque a gente é de uma cidade que tem 4 mil habitantes. Quando nós nascemos não era nosso intuito aparecer em todo o Brasil. Isso foi acontecendo muito naturalmente. Então ver esse reconhecimento chegar foi muito emocionante. Esse caso da Nestlé, para a gente, é o auge. Nós ficamos perplexos de tanta felicidade em termos sido selecionados. Então todo esse reconhecimento em algumas instituições grandes é muito importante.

    Como você acredita que essa parceria com Nestlé vai ajudar o Folhas Que Salvam?

    O primeiro ponto é por conta da formação que a Nestlé ofereceu em parceria com o pessoal da Yunus. Nós passamos 4 finais de semana recebendo diversos convidados sobre diversos temas. Alguns eram, inclusive, celebridades de negócios de impacto. Então nós aprendemos muito sobre várias formas de alavancar nossos projetos. Eu achei muito bacana porque eles se preocuparam muito com isso de trazer essa formação de como nós devemos organizar nossos projetos para que eles efetivamente transformem pessoas.

    E toda essa questão das embalagens para mim é muito importante. Porque, hoje, nossa maior dificuldade é chegar a jovens do interior do Brasil. Eu venho do interior e estou dizendo isso com propriedade porque eu sei que é difícil alcançar esse tipo de jovem. Eu moro em zona rural. Esses jovens geralmente não costumam ter internet. É humanamente e tecnicamente impossível eu alcançar estes jovens, mas tem uma forma de eu fazer isso, que é levando o nome do meu projeto até dentro da casa dessas pessoas. E nesse caso isso acontece através dessa parceria com a Nestlé, estando nos produtos. A mãe ou a avó desse jovem compra a embalagem que vem o produto e no produto está o nosso nome.

    E como você imagina este projeto daqui há 5 anos?

    Eu vou ser bem sincero com você. Eu acho difícil quando me perguntam isso, porque, por exemplo. Quando me perguntaram, em dezembro de 2019, eu não disse metade do que nós temos hoje. Nós crescemos o triplo até aqui do que eu imaginava para 5 anos. Mas daqui há 5 anos eu imagino muito o projeto internacionalizado, presente em outros países, tendo um impacto grande a nível Brasil, sendo reconhecidos até por governos. Isso é algo importante para nós.

    E estarmos presentes nas escolas para fazer essa conscientização. Ainda mais agora que a educação está voltando, nós queremos estar presentes, conversando com as crianças, com os jovens, sobre a importância do meio ambiente. Nós sabemos que ali é a porta de entrada para um novo mundo. Ali que vamos transformar o mundo.

    Como quem está lendo esta matéria pode entrar em contato com vocês para se tornar um parceiro do projeto?

    Nós temos nosso site, tem nosso email, que é [email protected] e tem nosso Instagram: @folhasquesalvam, onde as pessoas podem entrar em contato por direct. Nós estamos super à disposição para responder a todos. De lá podemos prosseguir com uma conversa. Mas é resumidamente desta forma. Nós estamos muito abertos a parcerias, a pessoas que queiram contribuir com a causa, principalmente financeiramente, com doações, que são muito importantes. Então se você que está assistindo é uma pessoa que tem vontade de contribuir com a causa, entra em contato com a gente e vamos, juntos, transformar o Brasil.

    Você poderia deixar uma mensagem para as pessoas que querem ter um projeto de empreendedorismo social como o de vocês?

    Gente, não é fácil. Nunca foi. E infelizmente acho que não vai ser fácil tão cedo. Mas se nós não tivermos uma atitude, não estendermos nossa perna para andar, para evoluir, nós não vamos sair do lugar. E eu não falo só de meio ambiente, mas eu falo de transformação mesmo. Que é o que nós precisamos. Então eu quero te convidar a, se você acha que é difícil fundar um projeto, tem tanto projeto massa precisando de voluntário… Entra para um desses projetos. Não precisa ser o que eu represento. Tem vários projetos incríveis que precisam de voluntários para fazer a coisa acontecer.

    Às vezes vocês acham que, para transformar o mundo, vocês precisam estar em Harvard, precisam estar na Amazônia, mas não. Vocês podem estar dentro da casa de vocês e vocês vão usar duas coisas que você tem no seu corpo desde que você nasceu. Suas mãos. Se vocês soubessem o potencial que vocês têm estando aí, nós já teríamos transformado o mundo há muito tempo.

    Mas, graças a Deus, essa nova geração já acorda com vontade de transformar. Então não desistam. Vamos juntos. Se quiser trocar opinião, me chamem no Instagram, que eu estou totalmente à disposição para ajudar. E de lá a gente vai pro Whatsapp, se quiser marcar uma reunião pra conversarmos, adoro uma reunião. Não desistam. Precisamos de vocês.

    Sobre o projeto Geração Que Faz Bem

    Em mais uma iniciativa de celebração dos 100 anos de Brasil, a Nestlé acelerou projetos de impacto social liderados por jovens, para que ganhem escala e ajudem a criar um futuro melhor.

    A marca promoveu mentorias para estes jovens e ainda deve utilizar suas embalagens, que têm penetração em 99% dos lares brasileiros, para dar publicidade aos projetos.

    Conheça as demais empresas participantes e saiba mais do projeto clicando aqui.

    Matheus Ferreira
    Matheus Ferreirahttp://gkpb.com.br
    31. Publicitário e fundador do GKPB e Diretor Executivo da Agência HiperStorm.
    Publicidade

    Conecte-se

    63,871FãsCurtir
    118,582SeguidoresSeguir
    14,500InscritosInscrever
    Publicidade