Mais
    InícioInovaçãoMarca brasileira de sucos "Do Bem" lança pulseira inteligente "Máquina"

    Marca brasileira de sucos “Do Bem” lança pulseira inteligente “Máquina”

    Publicidade

    A Do Bem, marca de sucos carioca que sempre foi conhecida pelo seu posicionamento mais despojado e cuidado com identidade visual, está querendo dar um passo adiante na sua relação com os consumidores. Isso porque ontem a empresa anunciou a “Máquina”. Uma pulseira inteligente que tem o intuito de promover maior qualidade de vida aos utilizadores.

    A pulseira é capaz de contar passos, calcular calorias gastas, medir a distância percorrida e monitorar o sono. Tudo isso é sincronizado com um aplicativo para iOS que cataloga estas informações em forma de gráficos de fácil entendimento e ainda com a promessa de dicas para uma vida mais saudável.

    Continua depois do anúncio

    durma-melhor-pulseira-inteligente-do-bem

    A Máquina significa uma clara intenção de aumentar a participação da marca na vida do público para deixar de ser uma companhia de sucos e se tornar uma companhia que vende um estilo de vida, onde o suco é só um dos meios da prática desse ‘bem maior’.

    Mas se a ideia parece pioneiramente interessante para o nosso mercado, ela derrapa em alguns princípios básicos que me levaram da excitação ao desânimo em instantes. E eu vou explicar o porque:

    Continua depois do anúncio

    Um produto para cerca de 5% dos consumidores em potencial

    baixe-o-app-store-pulseira-inteligente-do-bem

    Sério. Estamos em 2014 e eu ainda sou a obrigado a escrever que um aplicativo com foco no mercado brasileiro só está disponível para iOS. Em fevereiro um relatório informou que o iOS possuía 4,7% de participação no mercado mobile do país. No Brasil o iOS só ganha em participação do Blackberry.

    Se considerarmos uma questão de público pode ser que o iPhone consiga aumentar a sua margem em relação aos concorrentes, mas o número de comentários nas redes sociais que lamentavam o lançamento de um app compatível apenas com o sistema da maçã é um forte indício de que é uma falha grande não estar disponível pelo menos para Android.

    Continua depois do anúncio

    Em resposta a empresa divulgou que irá lançar até o final do ano uma versão para Android. A dúvida que fica é: será que o consumidor ainda vai querer este produto no final do ano?

    Os vídeos  promocionais são perturbadores

    Se o link entre os dois produtos pode ser definido pelo ritmo de vida saudável, a associação ficou só no imaginário porque na apresentação o produto parece tão contrário à imagem da empresa que fica difícil tentar estabelecer uma relação entre os dois produtos.

    Continua depois do anúncio

    A começar pelo nome: Máquina. As propagandas da pulseira são tudo aquilo que o suco e a marca nunca foram: chatas, sem naturalidade, imperativas, sem cor.

    Essas cores, esse cara de colã subindo a escada, esse jeito de falar da atriz, essa camiseta do Einstein. Tudo isso chega a dar medo.

    Continua depois do anúncio

    É um pouco curioso imaginar que em um momento em que todas as empresas de tecnologia estão caminhando para a humanização de seus produtos, inserindo-o em situações do cotidiano uma marca que é naturalmente humanizada tente ir pra um caminho tão oposto.

    Se a Apple fizesse um comercial com um cara tomando suco e praticando esportes para divulgar uma pulseira seria continuação de um ponto de vista que a empresa teve o dom de explorar, mas a “Do Bem” tinha a obrigação de fazer isso. No mínimo.

    Continua depois do anúncio

    Em suma…

    Em defesa da empreitada ficam o preço, e a iniciativa, que são dignos de nota. Mas em meio a tantos tropeços ainda fica difícil abrir um sorrisinho à pulseira.

    O design, ainda que agrade não conversa com nada. Isso porque eu nem estou considerando a versão ~marrom couro~.

    do-bem-maquina-comprar-pulseira

    Olhando o projeto como um todo não é difícil identificar as fortes referências tecnológicas em que a empresa se inspirou. Tão tecnológicas que parecem ter saído de 2001, Uma Odisseia no Espaço E já que estamos falando de Stanley Kubrick, um título talvez lhe fosse mais digno que Máquina, com todos os paradoxos que possa representar: Laranja Mecânica.

    Para mais informações a respeito da pulseira você pode acessar o site oficial da Do Bem.

    Dica de pauta da leitora Fernanda Barros. Envie sua dica aqui.

    Acompanhe novidades em tempo real. Siga nosso perfil no Instagram.

    Publicidade

    Ouça nosso Podcast!

    GKPB Em Vídeo

    Publicidade
    Publicidade

    Conecte-se

    64,669FãsCurtir
    107,084SeguidoresSeguir
    14,500InscritosInscrever

    Para Você

    Publicidade