Mais
    InícioNegóciosEntrevistaEntrevista com Eduardo Pedrosa, da Woodz

    Entrevista com Eduardo Pedrosa, da Woodz

    Em conversa com o GKPB, Eduardo Pedrosa falou sobre sustentabilidade, o futuro da Woodz e sobre a parceria com Johnnie Walker. Assista.

    Compartilhe

    -

    Nosso papo agora é com o Eduardo Pedrosa, fundador da Woodz, uma marca independente de óculos e relógios sustentáveis.

    Na conversa nós falamos um pouco sobre a importância de se associar uma marca moderna e urbana a uma cultura sustentável, da parceria com Johnnie Walker e quais os próximos passos da marca e dos próximos passos da empresa.

    Qual a história da Woodz?

    A Woodz surgiu em 2015. Eu trabalhei a vida inteira em multinacional, mas sempre quis ter o meu negócio e trabalhar com e-commerce, porque acho que é o meu perfil, eu sou bom de marketing e gosto de tecnologia, então eu estava procurando um produto que fosse bom para vender online. Com isso, eu descobri os relógios de madeira, que foi o nosso primeiro produto e que na época só tinha uma marca que vendia no Brasil.

    Continua depois do anúncio

    No início eles eram importados, mas depois fomos colocando alguns outros produtos e a ideia era ser um e-commerce só de itens de madeira. Tinha óculos, capa de celular, carteira. Mais tarde fomos vendo que óculos e relógio eram o que as pessoas gostavam mais e davam mais retorno, então acabamos virando uma marca de óculos e relógios. Também achamos que era a hora de não ficar presos só na madeira, queríamos desenvolver outros materiais, mas seguindo a linha da sustentabilidade como pilar principal para a empresa. Por isso, começamos a criar outros produtos, porque sabíamos que a madeira era uma tendência. Hoje também fazemos óculos com bioacetato, relógios com fibras de abacaxi e assim fomos desenvolvendo outros materiais sustentáveis. Então acabou que a empresa virou uma marca de óculos e relógios sustentáveis.

    Inscreva-se para receber nossas notícias e novidades em seu e-mail e cancele quando quiser.

    Quais são os diferenciais de vocês?

    Em relação ao mercado de óculos e relógios como um todo, o nosso diferencial é ser uma marca mais sustentável, no sentido que nos preocupamos mais com o material que usamos, com a cadeia produtiva, a embalagem, somos uma marca realmente preocupada com a questão socioambiental.

    Mas existem várias outras marcas que também se posicionam como sustentáveis, isso é bem comum, é até meio que uma obrigação você se preocupar com isso. Então, dentre as marcas sustentáveis, eu acredito que nós também achamos um diferencial. Eu vejo muito que essas empresas têm um posicionamento ou um designmais voltado à natureza, ao público surf e skate e nós não.

    Nós falamos: “vamos ser uma marca sustentável, mas sendo urbana, moderna e colorida”. Na nossa linha de produtos e na nossa comunicação, nós tentamos fugir um pouco dessa comunicação mais bucólica, mais preto e branco e transformar em algo mais urbano, para as pessoas usarem nossos óculos para irem trabalhar na Paulista, para usarem no dia a dia mesmo e não ser um produto para usar quando vai acampar. Somos uma empresa sustentável, mas onde nós gostamos de nos diferenciar é que somos uma marca moderna e urbana.

    Como foi essa parceria com a Johnnie Walker?

    No ano passado, a Johnnie Walker entrou em contato para desenvolvermos o que era, no início, um produto para comemorar os 200 anos da marca e de cara eu adorei a oportunidade, é uma marca icônica, quem não quer se associar à uma marca como Johnnie Walker? No começo, em outubro de 2020, pensamos em óculos escuros por estarmos no verão e falamos “o produto tem que ter a nossa história, mas tem que ter a história da Johnnie Walker também. Como fazemos um produto que mistura as duas marcas?”. E, com isso, veio essa ideia de usarmos madeira reciclada de barril de whisky, que era uma ideia até antiga que eu já tinha e acho foi uma oportunidade legal para trabalharmos um material que tem tudo a ver com as duas marcas.

    Continua depois do anúncio

    Pensamos também que no meio de uma pandemia e do inverno, os óculos de sol não estão tão em alta, então resolvemos lançar os modelos que funcionam como óculos de sol, mas hoje apostamos muito nos óculos de grau e no bluelight. Na quarentena, como as pessoas pararam de comprar óculos de sol, subiu muito a venda de bluelight, que é uma lente especiais para usar no computador, por ele filtrar essa luz azul emitida dos equipamentos eletrônicos que causa uma série de malefícios, como insônia e dor de cabeça.

    Então lançamos essa linha de óculos, que ela serve tanto para usar no computador, como bluelight, e para quem quiser usar na rua, nós temos a versão dela em sol. A história foi mais ou menos essa, nós achamos um produto que ficou muito legal e totalmente sustentável, porque para essa linha da Johnnie Walker usamos madeira reciclada e o acetato que usamos é o bioacetato. Ele não deixa de ser um plástico, mas é o mais limpo da família de plásticos, já que é feito à base de algodão e não leva nenhum material fóssil, petróleo, nada, ele é 100% de origem vegetal e biodegradável, então ficou legal, casou e fizemos uma linha bem jovem e colorida nas cores da campanha da Johnnie Walker, que é vermelho, amarelo e azul. Está bem legal essa coleção, estou animado.

    Quais são os próximos passos da Woodz?

    Nós estamos sempre querendo desenvolver materiais novos que ninguém está usando e a indústria acabou de lançar, como proposta mais sustentável que os materiais tradicionais. Estamos nessa constante busca de procurar uma fibra nova, um couro novo que vem de alguma origem bem sustentável. Nós temos coisas legais na fila, às vezes nem tudo funciona, porque você pega um material, mas ele é frágil. Às vezes você faz uma pulseira para substituir o couro do relógio, mas depois os clientes reclamam que ela não dura muito.

    Continua depois do anúncio

    Nós temos algo legal para lançar, vai ser uma linha de óculos que vamos fazer com plástico reciclado e retirado do fundo do mar.  Estamos montando uma parceria com uma ONG, ainda não está pronto para divulgar, mas que eles retiram lixo da praia e do fundo do mar, processa isso e entrega para a indústria poder fabricar produtos. Vai ser bem legal, é um material novo que está sendo testado na nossa fábrica, mas outras marcas já fazem isso. Essa parceria é só um exemplo de coisas que estamos sempre pensando em fazer.

    E em termos de crescimento e expansão da marca, nós gostamos muito do modelo de e-commerce, como eu falei, meu sonho sempre foi trabalhar com isso. Nós queremos desenvolver o hábito das pessoas comprarem óculos online, cada vez melhorando a tecnologia para se comprar óculos e fazer a sua lente de forma virtual. Pensamos muito mais nisso do que abrir loja nesse momento, investimos muito no modelo online e queremos expandir para fora do Brasil. Até antes de abrir uma loja física, nós queremos vender para o mundo todo, porque acredito que é um modelo replicável em qualquer lugar e já até temos um site, o woodz.com, que é uma página na Europa que inauguramos no final do ano passado, porém ele ainda é pequeno, está começando, não tem ainda o fluxo de tráfego do site brasileiro, mas é uma coisa que queremos expandir internacionalmente e levar a marca para todos os cantos.

    Se alguma empresa ou o público quiserem entrar em contato com vocês, por onde eles podem encontrar a Woodz na internet?

    woodz.com.br é o site, se alguém quiser entrar em contato direto comigo, o meu e-mail é[email protected], a nossa loja é online, o nosso Instagram é instagram.com/woodz.com.br e nós temos algumas boutiques que vendemos fisicamente, mas o foco é o online, então a melhor forma de achar, saber mais da marca e encontrar os produtos é nosso site.

    Beba com Inteligência. Não compartilhe com menores de 18 anos.

    SE BEBER, NÃO DIRIJA.

    *publi

    Matheus Ferreirahttp://gkpb.com.br
    30. Publicitário e fundador do GKPB e Diretor Executivo da Agência HiperStorm.
    Publicidade

    Conecte-se

    64,254FãsCurtir
    117,570SeguidoresSeguir
    14,500InscritosInscrever
    Publicidade