Mais
    InícioAlimentos & BebidasDomino's acredita que sites não precisam ser acessíveis a deficientes

    Domino’s acredita que sites não precisam ser acessíveis a deficientes

    A rede de pizzaria Domino's é, há 3 anos, processada nos Estados Unidos por não possuir uma plataforma acessível para realizar pedidos online.

    Publicidade

    Você já parou para pensar como é ser deficiente visual e se deparar com sites que não seguem o padrão internacional de acessibilidade? A Domino’s está enfrentando um processo nos EUA por não possuir uma plataforma que dê o suporte necessário para deficientes visuais realizarem o seu pedido online.

    A Domino’s, uma das maiores pizzarias dos Estados Unidos, está enfrentando há, aproximadamente, 3 anos um processo sendo acusada de não possuir uma plataforma em seu site onde deficientes visuais possam realizar pedidos online. O processo foi aberto por um deficiente visual que sofre de cegueira.

    Continua depois do anúncio

    Os Estados Unidos possui uma lei, Americans with Disabilities Act (ADA), que foi criada nos anos 90 e estipula uma serie medidas, minimas, para que clientes com deficiências possuam condições igualitárias de atendimento em relação ao restante da população e estas possuem abrangência para sites e aplicativos que tenham algum negócio no território dos Estados Unidos.

    É nessa lei que Guillermo Robles encontra base para processar a empresa que já teve o caso julgado por um tribunal federal onde a decisão se mostrou favorável ao autor do processo. A Domino’s diante da situação recorreu e fez o envio de um documento à Suprema Corte dos EUA, solicitando uma nova e criteriosa avaliação sobre a posição anterior:

    Continua depois do anúncio

    “Empresas e organizações sem fins lucrativos não tem interesse em discriminar potenciais clientes ou outros indivíduos que por ventura possuem deficiências, mas estes casos miram alvos em uma situação impossível.” afirma a rede de pizzarias.

    “A não ser que a Corte interfira agora, réus terão que refazer seus sites para atender o Título III [do Americans with Disabilities Act] sem qualquer orientação sobre o que acessibilidade no ambiente online significa para indivíduos cobertos pela ADA”. Diz um dos trecho do documento que possui 35 páginas.

    Continua depois do anúncio

    A Suprema Corte deve, oficialmente, responder ao documento recebido no próximo dia 14. Se a decisão ainda for favorável ao Guillermo a empresa terá que, no mínimo, refazer e repensar em um site e plataforma que sejam acessíveis para deficientes.

    Publicidade

    GKPB Em Vídeo

    Ouça nosso Podcast!

    Publicidade
    Publicidade

    Conecte-se

    64,600FãsCurtir
    107,084SeguidoresSeguir
    14,500InscritosInscrever

    Para Você

    Publicidade