Mais
    Início Especial Especial: O silencioso crescimento do Windows Phone

    Especial: O silencioso crescimento do Windows Phone

    Publicidade

    O Windows Phone pode ser considerada a última tacada da Microsoft para o mercado de Smartphones. Na segunda metade da década passada a empresa era a grande aposta para a computação móvel, mas seu foco nos desktops permitiu, não só que sua principal rival Apple conseguisse se consolidar no segmento, como que um novo concorrente chegasse com tudo, que foi o caso do Android.

    Entretanto, é como eu sempre digo: a Microsoft não tem vergonha de se reinventar, chegar depois e dar tudo de si para conquistar de volta seus consumidores. Foi assim com o Windows, com o Xbox e parece que o Windows Phone está prestes a seguir o mesmo caminho tortuoso do sucesso.

    Continua depois do anúncio

    iPhone-vs-WP7-vs-Android

    A síntese do Windows Phone desde sua concepção lá na bastarda versão 7.5 é uma só. Ele é diferente. Desde o seu desenvolvimento, passando pelo design, o hardware exigido e até mesmo o público que se buscou. Em tudo o que o Windows Phone se propôs a fazer no mercado de dispositivos móveis foi diferente. E diferente não significa melhor, mas uma experiência diferente é uma estratégia crucial para se destacar em um mercado onde os usuários estão acostumados com a mecânica parecida com que funcionam iOS e Android, por exemplo.

    Vamos discutir isso mais a fundo:

    Foco

    Existem algumas coisas que diferenciam o Windows Phone dos outros sistemas móveis, a primeira é que ele é um sistema específico para celulares. Ou seja, o foco da empresa em criar um sistema só para celulares pode ter sido prejudicial para o Windows, por ter sido completamente redesenhado para suportar tablets, mas para os Smartphones é uma tremenda vantagem. Afinal, a equipe de desenvolvimento do Windows Phone e a comunidade de desenvolvedores não desenvolvem aplicativos híbridos. Eles tão para telefones. E só para telefones.

    Continua depois do anúncio

    Criação de uma imagem sólida do sistema

    Windows-Phone-8-main

    Ao contrário do Android, o Windows Phone não estimula a customização de fabricantes. Pelo contrário, o sistema conseguiu conquistar seu estilo perante o público. Seu visual e funcionamento são tão vitais para a identificação do sistema, que fazendo uma comparação, seria quase que dizer que o Windows Phone é um iOS que pode rodar em smartphones de diversas marcas. Ou ainda, indo um pouco mais a fundo, o Windows Phone tem a filosofia que o pessoal do CyanogenMod entrega a usuários Android.

    Investimento em um hardware mais em conta, para um público que quer um telefone mais em conta

    SONY DSC

    Uma coisa não podemos negar. O Android e o iOS oferecem hoje, a melhor experiência quando o assunto é smartphones high end. Os dois sistemas oferecem experiências defasadas para telefones mais baratos. Comprar um iPhone que foi lançado há 2 anos atrás implica em abrir mão de recursos do iOS, já no Android, escolher um dispositivo barato, por mais que tenha sido lançado ontem, pode garantir uma péssima experiência com o sistema. Quem nunca ouviu um low end user falando: “Android trava muito! Quero um iPhone”.

    Continua depois do anúncio

    O Windows Phone chegou por todos os lados. High End? Temos. Middle End? Também. Low End? Sim, temos. E, ao contrário dos outros sistemas, continuamos entregando a mesma experiência fluida e bonita que se espera do software.

    Eu cansei de recomendar o Lumia 620 para meus amigos. Porque ele atende exatamente a maioria das pessoas que eu conheço: eles querem um telefone que custe no máximo R$ 500,00, não fique travando (esse requisito costuma vir de usuários frustrados com Androids Low End), e dê pra fazer tudo aquilo que é legal de se fazer com um Smartphone: usar o Facebook, falar no Whatsapp, postar no instagram e ainda ter uns joguinhos legais pra se divertir de vez em quando.

    Continua depois do anúncio

    Essa possibilidade talvez seja o principal fator de que o Windows Phone está chegando rapidamente às massas dos países em desenvolvimento. Não é à toa que há quem diga que o sistema já é o segundo mais usado na América Latina. Aqui no Brasil mesmo, o crescimento do smartphone pode ser observado pelas ruas. Cada vez mais usuários de smartphones têm optado pela experiência oferecida pela Microsoft. Estive em Curitiba recentemente e foi assustador ver a quantidade de aparelhos da linha Lumia, da Nokia pela cidade. Posso afirmar com certeza que vi mais Lumias do que qualquer Galaxy ou iPhone por lá.

    Fodam-se o ovo e a galinha. Eu vou é fazer um ovo pra essa galinha nascer

    windowsphonestore_large_verge_medium_landscape

    É com essa frase que eu abordo a loja de aplicativos da Microsoft. Quando falamos de sistemas móveis, sempre falamos da dúvida eterna: a plataforma tem poucos desenvolvedores porque não tem público, ou não tem público porque tem poucos desenvolvedores?

    Continua depois do anúncio

    A Microsoft não quis saber de quem era o problema e se prontificou a criar tudo o que era mais necessário para que seu sistema pudesse vingar. Uma atitude louvável e poucas vezes vista pelos seus concorrentes. A empresa se encarregou de oferecer aquilo que ainda não era disponível pelos desenvolvedores de terceiros e o que não tinha jeito, não teve vergonha nenhuma de pedir autorização pra trabalhar pra eles.

    Na última semana a Microsoft anunciou a chegada de inúmeros nomes de peso em sua loja de aplicativos, como Instagram (sim!), Asphalt, CamScanner, Danger Dash, Flipboard, Talking Tom (ainda tem gente que usa essa porr*), Rail Rush, Temple Run 2, TuneIn Radio, Vine, entre outros. Com a chegada desses apps a experiência de quem está migrando de uma plataforma consolidada como iOS ou Android para o sistema da Microsoft pode ser bem menos conturbada.

    Continua depois do anúncio

    Em resumo.

    original

    A Microsoft foi audaciosa com o Windows Phone. Até mesmo porque, após o fracasso do moribundo Windows Mobile e a ascenção do iOS e do Android, a empresa não tinha muito o que fazer.

    A capacidade de reinvenção, muito trabalho e paciência da gigante de Redmond foram itens essenciais para que a empresa se tornasse a referência que é nos mais variados mercados e não está sendo diferente com o Windows Phone. Nos resta acompanhar essa novela da briga por nós consumidores, que só temos a ganhar.

    Com amor, GKPB. <3

    Acompanhe novidades em tempo real. Siga nosso perfil no Instagram.

    Publicidade

    Conheça nosso canal no Youtube:

    Publicidade

    GKPB Em Vídeo

    Geek Public... o quê?

    imagem-perfilMatheus Ferreira, 29, é o cara que cuida desse site que você já ouviu falar por aí.

    O Geek Publicitário é mais que um Blog de Publicidade. É um lugar para abordar tudo o que acontece de mais interessante no mercado da comunicação, da criatividade e do universo geek. Entre, tire os sapatos e sinta-se a vontade.

    + Saiba mais

    Conecte-se

    64,618FãsCurtir
    93,200SeguidoresSeguir
    14,500InscritosInscrever

    Veja também:

    Os melhores de 2020

    2020 finalmente está chegando ao fim. E em um ano tão difícil é preciso reconhecer quem soube arregaçar as mangas e fez acontecer mesmo...
    imagem de destaque do vídeo do felipe neto para o The New York Times.

    New York Times consolida poder de comunicação de Felipe Neto

    O New York Times publicou hoje um vídeo do youtuber Felipe Neto com destaque em sua página inicial onde ele compara as políticas de...

    Geek Publicitário troca de nome em ação de visibilidade LGBTQIA+ na publicidade

    Durante últimos anos o mercado da publicidade finalmente passou a dar espaço para que vozes de outras comunidades pudessem ecoar. É fato que houveram...

    Feliz aniversário de 7 anos, Geek Publicitário!

    Há exatos 7 anos atrás ia ao ar o primeiro post do Geek Publicitário. É muito maluco, porque eu não tinha muita noção do...

    Feliz aniversário de 6 anos, Geek Publicitário

    No dia 3 de maio de 2013 ia ao ar o primeiro post do Geek Publicitário. Era tudo muito diferente por aqui e tanto...

    Newsletter

    Equipe

    Matheus Ferreira

    Editor-Chefe

    Tom Oliveira

    Repórter

    Publicidade
    Publicidade